terça-feira, agosto 07, 2007

da amizade e da inteligência

"Devem-se escolher os amigos pela beleza, os conhecidos pelo caráter e os inimigos pela inteligência", o site Pensador credita esta frase a Oscar Wilde, embora eu não encontre outra fonte confiável para corroborar. Eu usava tal frase em certas ocasiões para justificar algumas companias e desafetos, e se pararmos para pensar ela tem de fato uma lógica louvável.

Mas a longo prazo a verdade é que ter amigos apenas bonitos cansa. A estupidez é banal, nos cerca a todo momento, tanto que sequer a notamos mais. A inteligência se sobressai muito mais, e então ela nos salta aos olhos.

Em uma linha do tempo mais longa, é mais estimulador ter amigos inteligentes, e agradeço muito a sorte que tenho, pois tenho um bom punhado deles.

Quando digo inteligentes, não estou me referindo ao quanto eles sabem sobre determinado assunto, mas sim a capacidade e disposição que têm para desvendar qualquer assunto que lhes interessar.

O Bruno está no estagio final de sua tese, e publicou o início de sua introdução. Confesso que não compreendi completamente, mas acredito que tenha captado a mensagem. Tanto que ousei fazer comentários editoriais gramaticais e de conteúdo, que para minha satisfação pessoal foram levados em consideração. Mesmo eu, um leigo vindo da área da estética (de fato um esteta) que trabalha no ramo da publicidade, tive capacidade de interpretar algo de alto nível acadêmico e me senti capaz de elaborar críticas (além de dúvidas) - algo a se orgulhar.

Assim, o texto cosmológico levou a um pequeno debate entre eu e um amigo da área de programação com parcos conhecimentos no assunto do qual ele se trata. Um debate saudável e produtivo, entre eu e um amigo que como eu, aprecia sentir-se desafiado por mundos inexplorados. Mesmo diante do fracasso do aprendizado, há o deslumbre e a empolgação de desvendar novos mares, e aí está a beleza dos amigos inteligentes, eles não se intimidam pelo fracasso, se deixam levar pela aventura.

Assim, a todos vocês recomendo uma outra citação de Wilde: "Não tenho nada a declarar exceto minha genialidade." (embora haja dúvidas sobre se ele realmente teria dito isso em uma alfândega).

2 comentários:

Tilda disse...

eu já sabia, não precisava declarar

|3run0 disse...

Foi bom ouvir comentários. Vc nao imagina o alivio de ver esta inhaca terminar