segunda-feira, dezembro 03, 2007

banalizando a imagem

Uma amiga acaba de me dizer que quase me passou um freela para desenvolver uma marca. O que seria uma notícia deliciosa, já que desenvolver marcas é a epítome do que um programador visual faz, e é algo que eu gosto de fazer e tive poucas oportunidades para tal.

Mas o chefe dela pediu que ela utilizasse um serviço on-line do qual eu não tinha conhecimento. Algo como marcas remotas por demanda: você manda o briefing para um site, eles te dão algumas opções, você dá uma opinião e voilá! Sua marca está pronta.

O negócio começou a feder pra mim quando a palavra "opções" surgiu na conversa. Ao desenvolver uma marca, deve-se encontrar soluções, uma marca de fato é o resumo de uma série de conceitos em uma imagem e/ou palavras. Se o conceito está bem-definido, o resumo é apenas um, não há inúmeras opções.

Embora os sites que ela tenha me mandado como exemplo (esse e esse) não sejam o fim da picada, e de maneira geral integrem as etapas do proçesso que eu considero correto para o desenvolvimento de uma marca, ainda sim o banalizam. Afinal, cobrar 300 dólares por algo que pode chegar a valer bilhões (como a Nike - um exemplo extremo, confesso) me parece uma depreciação do seu próprio trabalho.

Uma marca bem-resolvida e sólida pode ganhar asas próprias e se tornar um bem por si próprio. Uma marca pode ser basicamente uma empresa que se concentra em direcionar os rumos a serem tomados, e para a execução desses rumos terceiriza fábricas e instalações de pesquisas - tal como a Nike faz. Supondo que alguém comprasse a Nike, compraria apenas o nome, o desenho e alguns escritórios aqui e ali, não fábricas de tênis.

Embora eu concorde que serviços desse tipo possam ser uma ótima solução para pequenos negócios que não podem arcar com profissionais timbrados (como Alexandre Wollner); um profissional de fato timbrado sabe medir e reconhecer o porte e potencial de seus clientes a ponto de oferecer orçamentos e soluções condizentes com ele. Não existe uma fórmula pronta ou tabela de preço para desenvolver a imagem de uma empresa, cada situação é única, assim como toda marca deve ser única.

O que me leva à extensão do problema. O caso extremo desse tipo de atitude seriam os sites que oferecem uma vitrine de logos e layouts prontos, onde o cliente escolhe o que acha mais bonitinho, enfia seu nome e pronto!

Você consegue angariar tanto respeito quanto confere a si mesmo. Portanto se você trata a sua marca com banalidade, ela será exatamente isso, uma banalidade. Da mesma maneira não devemos contratar alguém para criar a nossa imagem de uma forma banal. É como foi resumido aqui, no ramo de identidade visual, um trabalho profissional e de qualidade jamais será gratuíto, exceto em casos de filantropia e amizade.

Escolher sua imagem baseado únicamente no quanto será gasto (seja escolhendo o menor ou o maior preço) demonstra falta de visão. Uma boa imagem não é gasto, é investimento, pois se bem-feita renderá excelentes frutos. Afinal, porque os medicamentos genéricos são mais baratos? Justamente por serem isso, genéricos, sem marca. Sua empresa é genérica ou única?

1 comentário:

tilda disse...

gostei da cara nova. só dá um pouco de tontura...