quinta-feira, dezembro 06, 2007

liane martins é um travesti

Escolher um título para falar sobre o assunto não foi fácil. Pensei em algo mais poético como "culpem a eva", mas essa vagabunda não merece nada nobre conectado à ela. Acabo de ler na versão impressa da Folha de SP essa delegada da corregedoria falando absurdos dos quais eu espero que ela se envergonhe muito depois de lembrar que é uma mulher.

Vamos partir de dois princípios básico:

- Quando você tem algo a perder, você tem boas chances de mentir para se resguardar.
- Quando você já perdeu sua dignidade, seu tempo e a integridade do seu corpo, o que você busca é justiça, e para isso, fala a verdade.

Liane diz que os "policiais foram levados ao erro" pela garota que teria mentido sua idade. Pois bem, em primeiro lugar, um policial deve AVERIGUAR declarações feitas por suspeitos, pois esse tem algo a perder, e portanto pode estar mentindo. Busca-se documentos e testemunhas para assegurar-se de que o suspeito está dizendo a verdade. Segundo, qual possível vantagem a garota teria em mentir sua idade? O que ela exatamente ganharia com isso? Então o motivo para ela ter mentido, ao meu ver, não existe. Terceiro: Não importa a idade! Não se colocam mulheres e homens na mesma cela, nunca.

Ainda lembrando o princípio que propus: E se os policiais estiverem mentindo para a srta. Liane? A garota já perdeu tudo, não tem porque mentir, já os policiais podem (leia-se: deviam) perder o emprego e a liberdade. Puxa, será que eles combinaram uma história para contar para a delegada?

Mas Liane não pára por aí. Além disso, pinta a menina como se fosse uma máquina manipuladora e maligna, que se insinuou e provocou os presos, se ofereceu. Diz que apenas um dos atos sexuais foi abuso - quantos é preciso para se perceber que algo está fora do normal? Talvez devêssemos fazer uma fila e nos revesar com Liane Martins até ela descobrir. Vou contar uma novidade: Quando se está preso, não se pode transar, e homens ADORAM transar, se você colocar uma cabrita na cela é capaz dos presos dizerem que ela se insinuava para eles.

Mesmo que a menina tivesse se insinuado para todos os presentes, sexo com menor ainda é crime. Menores já se insinuaram pra mim, a infância e a inocência estão acabando, e os únicos que as usam como defesa são os marmanjos; numa cara de pau sem tamanho.

O mais horrorizante dessas declarações da delegada é que ela é uma mulher. Ao menos diz que é, na minha opinião, só pode ser um travesti. Depois de anos de lutas por direitos não é possível que uma mulher enxergue essa situação dessa maneira. Agora só falta descobrirmos que ela tem um caso com esse juiz ignorante de sete lagoas.

PS: Peço desculpas aos travestis por compará-los ao esse monstro. Usei a palavra apenas em sentido alegórico.

3 comentários:

Re Mesquita disse...

Eu gostaria sinceramente que essa louca se arrependesse. Ou então, que ela sofra uma violência sem limites para aprender a não falar besteira. Ela está defendendo a polícia, o que deve ser dever dela, mas NADA justifica o que aconteceu e acontece no Pará e em muitos outros lugares no Brasil. Tá na hora das pessoas pagarem pelo que falam

Daniel Duende disse...

Concordo e partilho de sua indignação, meu caro cara. Acho que esta situação transcende o absurdo. Mais do que isso, a situação seria absurda até mesmo independente da idade da pobre mulher. Se ela fosse "de maior" isso não faria diferença alguma -- ela teria o MESMO direito de não ser violentada, ora bolas!

Mas parece que esta prática é comum no Brasil, a de colocar mulheres "por engano ou necessidade" em celas superlotadas de homens para acalmar os presos e evitar rebeliões. O princípio é parecido com aquele alegorizado no filme Extermínio, de Danny Boyle.

Agora, quer uma dica? Não chama a delegada de travestí não. Travestís são pessoas que geralmente tem vidas sofridas e difíceis e, para alguns, incompreensíveis. Mas têm uma dignidade que é ferida por sua afirmação, e pedir desculpas depois não adianta nada (como não adianta nada à Liane tentar se desculpar pelo que fez).

Abração do Verde.

tilda disse...

daniel, quer uma dica?
seja menos politicamente correto.